sábado, 6 de setembro de 2008

Santa Maria/RS. Questões ambientais devem entrar na lista de prioridades do futuro prefeito

Eleições 2008
É osso duro, prefeito

Num trote ligeiro, com certa fidalguia, Amigo atravessa a cidade com suas duas companheiras. Figura da cena urbana de Santa Maria há pelo menos 10 anos, ele até teve sorte na vida, apesar do abandono quando mal sabia se virar. Consegue comida, abrigo nos dias chuvosos, e a medicação para esses infortúnios da idade sempre chega a tempo de salvá-lo do pior. Uma vez foi atropelado. Talvez duas, não se sabe ao certo. Mas dos dois sustos conseguiu se safar graças à experiência de anos a fio atravessando ruas.


Amigo nunca dependeu de políticos e governantes para ter uma qualidade de vida razoável para um cão vira-latas, mas muitos de sua espécie poderiam ter sido poupados de maus-tratos, do abandono e de atitudes cruéis se os governantes tivessem olhado, nem que fosse de relance, para a causa dos bichos de rua e do meio ambiente de um modo geral. Como um cão, Amigo não sabe dessa problemática, mas tem muitos amigos - seres humanos, cidadãos e eleitores - que gostariam que o próximo prefeito se comprometesse em criar políticas públicas que controlassem a população de cães e gatos sem necessariamente matá-los. Políticos que criassem campanhas de educação ambiental, de posse responsável e que punissem aqueles que submetem os animais e a natureza a maus-tratos e a situações de desrespeito. Já existem até leis que deveriam garantir isso, mas quase nunca são cumpridas.

Comparada a outras cidades, Santa Maria até é um paraíso para a bicharada sem lar porque muita gente se compadece e ajuda a cuidá-los. Tem até a versão cachorro comunitário, em que moradores de uma rua e funcionários de empresas adotam aquele cusquinho que está sempre pelas redondezas. Porém, sem um controle maior, protetores dos animais não conseguem dar conta da demanda - especialmente de cães e gatos. Amigo deveria levantar as patas para o céu por ter sido castrado por voluntários e por receber abrigo em uma agropecuária do Centro, que ainda lhe garante comida, vermífugos e até um cantinho para dormir. Há tanto tempo na rua, o cão de pernas longas e corpo esguio já foi doado, algumas vezes devolvido e outras tantas fugiu dos lares que lhe ofereceram porque acostumou a zanzar pela cidade na companhia das cadelas Pretinha e Zica, ambas também castradas.

Quando Amigo apareceu na agropecuária, o mundo se embasbacava com o atentado terrorista contra as torres gêmeas do World Trade Center. A turma da loja acabou batizando o cão de Bush, referência ao presidente dos Estados Unidos, e outro que o acompanhava de Bin Laden, nome do líder da Al-Qaeda, que assumiu a autoria dos atentados. Lá se vão sete anos, Bush virou Amigo, e Bin Laden, desapareceu. Até hoje, os funcionários da agropecuária temem pela integridade física do cão, porque muitos antes dele já foram acolhidos na loja e, se não conseguiram ser doados, sumiram por aí.

- Sempre aparece um e outro, mas agora que o Amigo e as duas cadelas ficam aqui, ninguém mais chega. Virou o território deles, a referência - conta o funcionário Elvio Renato Vieira.

Na Praça dos Bombeiros, o animal é tratado com muito carinho e já foi motivo até de peleia entre os freqüentadores. Um tanto impaciente, o velho cachorro já atacou cachorrinhos que são levados por seus donos ali para passear. Em alguns casos, a briga feia foi mais entre os defensores do Amigo e aqueles que não simpatizam muito com ele do que propriamente entre os cães. Solto, à mercê da ignorância humana, Amigo é, sim, motivo de preocupação de quem o adora. Admiradores não faltam, tanto que até uma comunidade no Orkut (site de relacionamentos da Internet) foi feita especialmente para deixar registrado o quanto o cachorro é querido.

* * * *

Mobilização comunitária

A história do cão de pernas longas é um bom exemplo do que o Clube Amigos dos Animais, uma organização não-governamental, constatou em 15 anos de atividades: a cidade quer ajudar os animais de rua e a controlar as populações de cães e gatos. Mesmo sem qualquer ajuda do poder público, o clube castrou, de 1996 para cá, cerca de 8,2 mil animais e ainda identificou 5 mil para evitar o abandono e a falta de responsabilidade dos que os adotam.

No começo do trabalho, o grupo enfrentou a falta de educação e de informações quanto aos cuidados com os bichos e até a inércia da comunidade em tomar medidas por sua própria conta. Quando alguém achava um cão na rua, levava para o clube e, não raro, queria que a castração e os cuidados fossem feitos de graça. Hoje, a organização comemora uma mudança na mentalidade das pessoas. Elas se comprometem com a causa, reúnem-se para juntar fundos para esterilizar os animais e até se empenham em procurar um lar para os mascotes.

Mas isso não é suficiente. Do futuro prefeito, os protetores dos animais esperam políticas públicas que façam o controle populacional de cães e gatos nas comunidades pobres da cidade, apoiadas em projetos bem fundamentados que identifiquem de fato quem não pode bancar a castração, evitando oportunismos.

- Essas políticas públicas seriam dirigidas a pessoas que já fazem parte de projetos sociais dos governos. Somos contra aqueles que passam a responsabilidade de seu cão para o prefeito. O controle da população de cães e gatos é uma ação de todos - diz a médica veterinária Marlene Nascimento, coordenadora do Clube.

Marlene aposta nessa medida e na criação de leis municipais que punam de fato os maus-tratos. Quanto à criação de um abrigo para animais de rua, é taxativa:

- Esses locais estimulam o abandono e a falta de responsabilidade e não resolvem o problema. Todas as cidades que conheço e que fizeram abrigos hoje se arrependem. Virou um problemão - diz.

Os impulsos humanos são outro entrave na luta por condições mais dignas aos bichos. Nas vilas e nos bairros mais podres da cidade, não é nada difícil encontrar animais de raça. São cães e gatos vítimas dos tais impulsos humanos, que levam centenas de pessoas a feiras de filhotes e pet shops para comprar um animal, sem a menor noção do que será preciso para cuidá-lo. Quando o bicho deixa de ser novidade, é mandado para bem longe. O controle das feiras de filhotes e um cadastro daqueles que compram animais poderiam colocar freio nisso.

Cavalos

Se um abrigo não seria o ideal para cães de rua, ele poderia pelo menos servir de apoio ao Batalhão Ambiental da Brigada Militar, alvo de críticas e injustiças. A função dele não é socorrer animais, mas identificar os donos e autuá-los. O foco de suas atividades está na prevenção de crimes ambientais e na repressão desses casos. Porém, os policiais recebem chamados de pessoas exigindo que eles recolham bichos, especialmente cães e cavalos. Para eles, a esperança seria a criação de um local para receber os animais domésticos apreendidos - no caso da fauna silvestre, há o Criadouro Conservacionista São Braz para abrigá-los. No Batalhão, ainda se pergunta sobre o Centro de Controle do Zoonoses, que acabou não saindo do papel. Houve destinação de verba - R$ 1 milhão - mas a Fundação Nacional de Saúde considerou o projeto caro e desistiu de bancá-lo.
BRUNA PORCIÚNCULA (TEXTOS) E CLAUDIO VAZ (FOTOS).
Diario de Santa Maria

Órgãos ambientais em Santa Maria
Ibama
- Executa a política nacional do meio ambiente. Faz a fiscalização ambiental da flora, da fauna e de atividades que possam degradar o meio ambiente. Atua prioritariamente com a fauna silvestre, mas, em casos eventuais, pode atender maus-tratos a animais domésticos, desde que não esteja em uma ação considerada prioridade
- Onde fica - Avenida Fernando Ferrari, 1.776
- Denúncias - (55) 3221-6843
Fepam
- Vistoria e fiscaliza qualquer atividade que possa trazer impactos e modificações ao meio ambiente. Concede licenciamentos em casos em que o impacto ambiental não é somente local, de competência do município
- Onde fica - Rua Pedro Londero, 22, bairro Dores
- Denúncias - (55) 3222-1648
2ª Batalhão Ambiental da Brigada Militar
- Atua na prevenção de crimes ambientais, na fiscalização e na autuação de responsáveis. Não recolhe animais
- Onde fica - Rua Pinto Bandeira, 350
- Denúncias - (55) 3221-7372
Secretaria Municipal de Proteção Ambiental
- Deve propor e fazer programas de proteção ao meio ambiente, prevenir e combater as diversas formas de poluição, proteger o patrimônio natural, histórico, artístico, arqueológico, paleontológico, espeleológico e paisagístico do município, além de fiscalizar atividades que possam comprometer o meio ambiente, de acordo com a legislação. Faz o licenciamento ambiental de atividades efetivas ou potencialmente poluidoras de impacto local
- Onde fica - Prefeitura, na Rua Venâncio Aires, 2.277 -
Santa Maria/RS.

8 comentários:

JAMES PIZARRO disse...

Queremos crer que seja verdade !Que se torne realidade isso mesmo e não seja mais uma mera babaquice eleitoreira.
Abraços fraternos e parabéns pelo blog !

James Pizarro

juh_bullet_gremio disse...

Acho que deveria existir um número gratuíto, pois onde moro há vários animais que precisam de apoio.

Cris disse...

Pois olha, estamos em 2010, me mudei para Santa Maria no fim do ano passado e a situação dos animais nas ruas me preocupa. Realmente, oscães até que são, em geral, bem tratados pela gente hospitaleira de SM, mas os cavalos!!! Logo no primeiro mês me deparei com cavalos soltos em uma avenida muito movimentada. Liguei para a Brigada Militar, a atendente nem bola, me deu um número de uma sigla (que até hoje não sei o que significa) e se eximiu da responsabilidade. Aqui, quanto aos diversos cavalos soltos e vítimas de maus tratos não se sabe a quem se recorrer...

Camila disse...

Estamos em 2011, até então não percebia o abandono e maus tratos de animais como um problema gritante em Santa Maria, porém, ao começar a atuar na Vila Maringá como fisioterapeuta percebi que o problema apenas está escondido, longe do centro da cidade, lá, cães gatos estão caindo os pedaços, literalmente, de tantas doenças e maus tratos. Sem falar nos cavalos, pois a maior parte da vila é de carroceiros catadores, que vivem em condições precárias, apanham horrores e alguns até são cegados pelos proprietários para "não se assustarem com os carros". E o que acontece quando alguém tenta as "linhas verdes" da cidade para buscar ajuda? não atendem, não funcionam ou "não tem" o que fazer...lamentável!

kdumke disse...

YORK DESAPARECEIDA SANTA MARIA RS
NOME:SOPHYA
POR FAVOR, JA COLOQUEI NAS RADIOS, JORNAL, POSTES, PETS, EM TUDO, E SAIO TODO DIAS TRAS, ELA SAIU PELO PORTAO E EU NAO ALCANCEI MAIS ELA. ESTAMOS SOFREND DEMAIS, EU TENHO DEPRESSÃO MAIOR,E NA DURMO DESDE Q ELA SUMIU. SE VC PUDER AVISAR POR EMAIL, OS SEUS AMIGOS, VETERINARIOS, PESSOAS PROTETORES AQUI EM SANTA MARIA, POR FAVOR, POIS ALGUEM PEGOU, E A SOPHYA É LINDA, E UM DIA A LEVARÃO NO VETERINARIO, AINDA MAIS QUE QDO ELA SUMIU, ESTAVA COM 1 SEMANA DE GESTAÇÃO. ELA NAO PESA 2 KILOS, PELO LONGO, LINDA
ESTAMOS MAL AQUI EM CASA
ME AJUDA, POR FAVOR ,DIVULGUE AONDE CONSIGA, REPASSE, EU TO FAZENDO DE TUDO.


ENDEREÇO QUE ELA SUMIU
RUA TAMDAY 286 CASA
55 96166188 55 30267166

kdumke disse...

YORK DESAPARECEIDA SANTA MARIA RS
NOME:SOPHYA
POR FAVOR, JA COLOQUEI NAS RADIOS, JORNAL, POSTES, PETS, EM TUDO, E SAIO TODO DIAS TRAS, ELA SAIU PELO PORTAO E EU NAO ALCANCEI MAIS ELA. ESTAMOS SOFREND DEMAIS, EU TENHO DEPRESSÃO MAIOR,E NA DURMO DESDE Q ELA SUMIU. SE VC PUDER AVISAR POR EMAIL, OS SEUS AMIGOS, VETERINARIOS, PESSOAS PROTETORES AQUI EM SANTA MARIA, POR FAVOR, POIS ALGUEM PEGOU, E A SOPHYA É LINDA, E UM DIA A LEVARÃO NO VETERINARIO, AINDA MAIS QUE QDO ELA SUMIU, ESTAVA COM 1 SEMANA DE GESTAÇÃO. ELA NAO PESA 2 KILOS, PELO LONGO, LINDA
ESTAMOS MAL AQUI EM CASA
ME AJUDA, POR FAVOR ,DIVULGUE AONDE CONSIGA, REPASSE, EU TO FAZENDO DE TUDO.


ENDEREÇO QUE ELA SUMIU
RUA TAMDAY 286 CASA
55 96166188 55 30267166

AMANTE disse...

Boa Tarde. Santa Maria está PÉSSIMA com relação a proteção animal...A dez minutos atrás, encerrei a sétima ligação para comunicar maus tratos animais além de criação indevida de galinaceos em área urbana. Solução? NENHUMA. "EMPURRA, EMPURRA". QUEM PODE RESOLVER ISTO????

José Carlos Sobroza. Fone: (55)3213-24-67

Jane Silveira disse...

Queremos ajudar cães de rua,principalmente fêmeas,mandando castrar mas, onde encontrar um veterinário que faça tal procedimento com um preço razoável?
Quero ajudar uma cadelinha na minha rua mas, me pediram 160 reais para castrá-la.Não tem um pouco mais barato?
Jane Silveira
janenrc@yahoo.com.br