domingo, 12 de setembro de 2010

Gaúchos amam e maltratam animais - Maria de Nazareth Agra Hassen

É bem verdade que no resto do Brasil não é muito diferente. Em toda parte do país, os mais básicos direitos animais são desrespeitados,

enquanto a consciência sobre a existência dos mesmos não avança como em outros lugares. A região da Catalunha (Espanha) recentemente viu aprovada a lei que abolirá do seu território as tradicionais touradas. O conceito de tradição é frequentemente evocado para garantir espetáculos como rodeios, corridas e provas em que animais são subjugados na sua vontade para garantir diversão a participantes. Ora, tradição alguma é imutável, sendo, para Montesquieu, a ignorância a mãe de todas as tradições. Para o músico Ravel, a tradição seria a personalidade dos imbecis. A tradição tem sua origem na necessidade de se manter um nexo entre as gerações. Hoje, este nexo é mantido pela cultura acumulada e seus infindáveis meios de divulgação e reprodução. O entendimento vigente sobre tradição é que devemos rechaçar toda a tradição que se oponha aos direitos básicos dos atingidos e por isso não aceitamos mutilação genital feminina, apedrejamento por adultério, legítima defesa da honra como argumento a favor de assassinos. Sempre que nos contrapomos a práticas que um dia foram consideradas naturais, expandimos nossos horizontes morais. E isso é tanto mais difícil quando implica mudança em hábitos e comportamentos.

Em relação aos animais, o que se chama tradição, em grande parte das vezes, são negócios, que se apóiam em tal argumento. Por trás do espetáculo, estão os interesses econômicos apoiados na fragilidade reflexiva e argumentativa da população.

Por mais que ativistas dos direitos animais tentem levar uma nova consciência ambiental e uma nova moral que expande aos demais seres sencientes noções de direitos, ainda é o negócio que prevalece. Se a maioria de nós rejeita touradas, farra do boi, rinhas de galo, se ficamos chocados com o contrabando de animais silvestres, se nos indignamos com o crime de arrastar uma cadela presa ao pára-choque de um automóvel, não fazemos o mesmo com o embarque de gado vivo que viaja mais de 30 dias em navio-curral de seis andares, comprimidos e submetidos às piores condições, não fazemos o mesmo com os rodeios, não nos importamos com o estresse e a condição de coisas e mercadorias dos animais da Expointer e não nos chocamos que o Centro Histórico se transforme numa imensa churrasqueira nos dias de acampamento farroupilha. A alguns animais, compaixão, cuidados e proteção; a outros, confinamento e morte.

No nosso atual estágio civilizatório frequentemente apelamos nos nossos juízos de valor para a noção de inocência, a ausência de culpa. De todos os seres que devem ser poupados de injustiça e sofrimento, elegemos como prioritários os inocentes. Um ato que causa dor e morte, um latrocínio, por exemplo, nos choca mais quando tem como vítima quem nunca provavelmente desejou ou fez mal a outros, o que configura um inocente. Se adotarmos a inocência como parâmetro, o que pensaríamos dos animais, incapazes de qualquer projeto de maldade?

Outro conceito, a senciência, noção que nos une a outras espécies animais, diz respeito à capacidade de sofrer ou sentir prazer. Daí Jeremy Bentham, jurista fundador da escola reformista utilitarista, ter afirmado: A questão não se refere a se eles são capazes de raciocinar ou falar, mas sim se eles são capazes de sofrer.

Já que cães, golfinhos, bichos-preguiça, ursos-panda apresentam as mesmas capacidades da senciência e de inocência que porcos, galinhas, ovelhas e bois, onde, afinal, residiria a diferença de tratamento que lhes dispensamos? Por que protegemos, respeitamos, mimamos alguns animais e a outros, mesmo existindo alternativas alimentares saudáveis, dispensamos o pior dos tratamentos ao fim dos quais lhes reservamos a morte? Por que a uns tentamos garantir reservas ambientais e a outros submetemos a exposições, provas de velocidade e resistência, para diversão?

É de lamentar que o Rio Grande do Sul ainda não se proponha a reverter a realidade dos seus conterrâneos, os quais oprime e mata, mesmo sendo inocentes e mesmo sem haver qualquer necessidade.

Uma boa notícia, porém, nos aguarda. É que, a partir do dia 16 de setembro, Porto Alegre sediará o 3o Congresso Vegetariano Brasileiro, promovido pela Sociedade Vegetariana Brasileira, e se estenderá até o domingo 19 e terá como sede o SESC Campestre

Publicado no jornal Zero Hora do dia 12 de setembro de 2010, página 17, em Artigo para Debate.

2 comentários:

Sônia Silvino disse...

Olá!
Fiquei feliz ao encontrar este blog, pois também amo e respeito os animais. Te sigo, é claro!
Também postei este texto da ZH.
Convido você a conhecer os meus blogs. Tenho dois sobre animais e outros com temas variados.
Beijos!

mauro disse...

Lourdes, quero parabenizá-la pela oportunidade da exposição das palavras da ilustres Maria de Nazareth Agra Hassen a respeito da hipocrisia que vivenciamos, especialmente nós gaúchos, em relação ao tratamento que dispensamos aos animais "produzidos" em nossa terra, transformando-os em coisas ou peças de uma cadeia produtiva egoísta. É triste constatar que, em nome de uma estúpida tradição, cultuamos práticas como gineteadas, tiro de laço e rodeios que servem de diversão para desocupados que não levam em conta o sofrimento imposto a inocentes animais. Esta prática visa exclusimente demonstrar habilidades físicas, manuais e de suposta masculinidade com seres que pouco podem fazer para não sofrer senão correr de ignorantes "cavaleiros". Me pergunto por qual razão estes pobres ignorantes não tentam provar sua masculinidade e habilidades correndo atrás ou caçando os políticos corruptos que abundam nestas terras ao invés de subjugarem indefesas criaturas injustamente submetidas à tais crueldades?

É... realmente há tradições que são a personalidade dos imbecis como diria Ravel, principalmente quanto ao especismo e a diferença no tratamento aos animais ditos de "corte" e aos de estimação.

Abraço a todos,pricipalmente aos gaúchos tradicionalistas pelos direitos dos animais.
Mauro Matzembacher