sexta-feira, 23 de novembro de 2012

FIM DAS CARROÇAS Programa em marcha lenta - Porto Alegre/RS

Construção de unidade de triagem de material reciclável no Humaitá, na Capital, não saiu do papel



Nem trote, nem galope. É em um andar vagaroso que o Programa de Redução Gradativa de Veículos de Tração Animal (VTAs) e de Veículos de Tração Humana (VTHs), as conhecidas carroças e carrinhos, avança na Capital. O compromisso da prefeitura – previsto na lei – é oferecer cursos de qualificação, para que todos que usam esses meios para coletar material reciclável possam se reinserir no mercado de trabalho.

Mas esse dia ainda parece estar muito distante. O que não está longe é o início da fiscalização. No Centro e em grandes avenidas, a circulação de carroças e carrinhos é restrita. O controle será ampliado a partir de março de 2013. Até 2016, a proibição será em todo a Capital. O próximo ano também é a data para a conclusão do cadastramento dos trabalhadores, que está em andamento na Zona Leste. Essa etapa já foi realizada na região das Ilhas, onde o projeto deveria estar mais avançado. A realidade, porém, é um pouco diferente. Segundo o presidente da Cooperativa dos Recicladores, Carroceiros e Carrinheiros da Ilha Grande dos Marinheiros, Vênancio Francisco de Castro, o clima é de descrença:

– Ninguém trocou de profissão.

Ele afirma que os cursos oferecidos não são suficientes para que os moradores possam abandonar as carroças e carrinhos. E a construção de uma unidade de triagem no bairro Humaitá, planejada para absorver a mão de obra com material reciclável, ainda não saiu do papel.

Autor da Lei nº 10.531, de 10 de setembro de 2008, o vereador Sebastião Melo (PMDB) avalia que o ritmo do programa está longe do ideal:

– Estamos atrasados na implantação da Lei das Carroças. Poderíamos ter acelerado mais esse processo.

Investimento de R$ 9 milhões em seis unidades de triagem

Ele acredita que o cadastramento dos trabalhadores já deveria estar concluído e que poderia ter sido feito o emplacamento das carroças, para evitar que viessem veículos de outros locais para a Capital. A partir de janeiro, Sebastião assume como vice-prefeito, ao lado de José Fortunati (PDT). Na posição, garante se colocar como parceiro para o cumprimento dos prazos.

A coordenadora do programa, ligado à Secretaria Municipal de Coordenação Política e Governança Local, Denise Souza Costa, garante que R$ 9 milhões, obtidos de parceria entre o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a prefeitura, serão investidos na construção de seis unidades de triagem, entre elas a do Humaitá, que deve sair do papel em 2013.

denise.waskow@diariogaucho.com.br

DENISE WASKOW

Um comentário:

Massayuki Oniki disse...

Ajudem a não deixar impune essa brutalidade.

https://www.youtube.com/watch?v=_Tk7W03bdyo